Conecte-se Conosco

Pecuária

Brasil bate recorde na exportação de carne bovina em maio de 2024

Publicado

em

Reprodução

 

O Brasil bateu um recorde histórico na exportação de carne bovina em maio, enviando 240.622 toneladas ao mercado internacional. Este foi o segundo mês consecutivo de recordes, gerando uma receita de R$ 5,65 bilhões. As são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

A Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), responsável pela compilação e análise dos dados oficiais, informou que, em comparação ao mês anterior, o volume exportado aumentou 1,4% e o faturamento cresceu 1,2%.

Entre os destaques, as exportações para os Estados Unidos cresceram 64,6%, totalizando 13.186 toneladas, impulsionadas pelo aumento dos embarques de carne in natura, que mais do que dobraram entre abril e maio. O faturamento com as exportações para os EUA foi de R$ 447,6 milhões, um aumento de 52,1% em relação ao mês anterior.

Publicidade

No mesmo período, os embarques para o Chile também apresentaram crescimento significativo. Foram exportadas 10.414 toneladas, um aumento de 21,9% em relação a abril, com um faturamento de R$ 272,3 milhões, 23,7% maior.

A União Europeia, embora com crescimento mais modesto (+7,5% em volume e +3,5% em faturamento), importou 6.961 toneladas, gerando uma receita de R$ 261,5 milhões. Os embarques de carne in natura, principal produto exportado para este mercado, tiveram preços médios de R$ 40.339 por tonelada.

As exportações para a Arábia Saudita também aumentaram em maio, registrando um acréscimo de 16,7% no volume, totalizando 6.807 toneladas. O faturamento subiu 14,1%, atingindo R$ 177,5 milhões.

A China manteve-se como o principal destino da carne bovina brasileira, com 98.243 toneladas exportadas em maio. Este volume foi ligeiramente menor do que no mês anterior, quando foram exportadas 101.365 toneladas, mas ainda assim mantendo a média de cerca de 100 mil toneladas mensais. O preço médio para o mercado chinês permaneceu estável em R$ 23.858 por tonelada.

ACUMULADO – Nos primeiros cinco meses de 2024, o Brasil exportou cerca de 277 mil toneladas a mais do que no mesmo período de 2023, totalizando 1,07 milhão de toneladas. O faturamento aumentou em aproximadamente R$ 5,05 bilhões, chegando a R$ 25,34 bilhões.

Publicidade

As exportações para a China tiveram um aumento significativo nesse período, com um crescimento de 25% no volume exportado (473.715 toneladas em comparação com 377.418 toneladas em 2023) e um acréscimo de 10,9% no faturamento (de R$ 10,18 bilhões para R$ 11,31 bilhões).

Os embarques para os Emirados Árabes Unidos também cresceram expressivamente, passando de 22.703 toneladas em 2023 para 85.488 toneladas em 2024, com um faturamento de R$ 541,63 milhões para R$ 2,11 bilhões. Esse aumento não se deve apenas à demanda local, mas também ao papel crescente dos Emirados Árabes como hub de exportações para outros mercados, especialmente o Irã.

Situação similar ocorreu com as exportações para a Turquia, que aumentaram de 1.951 toneladas em 2023 para 20.388 toneladas em 2024. A Turquia tem servido como uma rota intermediária para o Irã, devido às dificuldades operacionais das exportações diretas para o mercado iraniano.

“Em parceria com o Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), o Ministério das Relações Exteriores (MRE) e a ApexBrasil, temos trabalhado para fortalecer nossos mercados, diversificar produtos e negociar melhores oportunidades comerciais, além de enfrentar barreiras que possam impedir o avanço das exportações brasileiras de carne bovina”, afirmou Antônio Jorge Camardelli, presidente executivo da Abiec. As informações foram fornecidas pela assessoria de imprensa da Abiec.

Fonte: Pensar Agro

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pecuária

Raças Hereford e Braford estarão presentes na primeira Fenagen em Pelotas

Publicado

em

ABHB destaca a importância em participar de um evento que disponibilizará atividades relevantes para a pecuária – Foto: Fábio Quadros/Divulgação

 

A Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB) estará presente na 1ª Feira Nacional da Genética, Fenagen, que será realizada pela Associação Nacional de Criadores Herd-Book Collares (ANC) e Promebo, Programa de Melhoramento de Bovinos de Carne, entre os dias 31 de julho e 04 de agosto, na Associação Rural de Pelotas (RS). A ABHB participará da programação de julgamentos, assim como também se fará presente por meio de um estande para receber os criadores das raças e estreitar relações com as demais entidades.

O gerente executivo da ABHB, Felipe Azambuja, afirma que para a Associação “é sempre uma grande honra participar de eventos organizados por outras entidades, ainda mais a ANC”. Segundo ele, trata-se de uma associação de renome nacional. “É uma das primeiras entidades a fazer registro de animais e que tem um cartório e melhoramento genético reconhecidos nacional e internacionalmente”, destaca.

Azambuja enfatiza a importância em participar do evento, “pois será uma semana com várias atividades relevantes para a pecuária e, portanto, também para o Hereford e o Braford”. “A ABHB estar se posicionando em um evento desta magnitude, é sempre muito relevante. E também é de extrema importância apoiar uma entidade que tem um vínculo muito forte com a história da ABHB”, enfatiza, destacando que a união de todas as entidades do setor faz a força da pecuária e das raças. Os julgamentos das raças Hereford e Braford na Fenagen ocorrerão no dia 2 de agosto nos horários das 8h e 13h30min. A premiação será no mesmo dia, às 18h30min, no estande da ANC.

Publicidade

O jurado Miguel Ferreira se diz muito honrado em ser convidado para julgar a primeira Fenagen. “É muito bom poder estar em pista, trabalhando os números que os nossos programas nos entregam, identificando aqueles animais realmente superiores. Ao mesmo tempo, conseguir aplicar os escores visuais que trabalhamos no nosso dia a dia também, e fazer um denominador comum em busca do animal ideal para cada sistema e ambiente”, coloca.

A Fenagen tem realização da ANC e do Promebo, com patrocínio de Senar, Banrisul e Sicredi e o apoio da Farsul.

Texto: Rejane Costa/AgroEffective

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo

Pecuária

Desafios na suinocultura moderna: O impacto da Pleuropneumonia Suína

Publicado

em

Prevenção e o manejo eficiente combatem a Pleuropneumonia Suína e elevam a produtividade na suinocultura – Reprodução

 

Na realidade atual da suinocultura mais competitiva e que atende a um aumento contínuo de demanda da produção de proteína suína pela sociedade, a criação de suínos em ambientes fechados potencializa os índices produtivos ao mesmo tempo em que aumentam as ocorrências de doenças de características infecciosas. Neste grupo, as doenças respiratórias têm um destaque importante, pois impactam de forma direta o bem-estar dos animais, seu crescimento, a conversão alimentar e o ganho de peso, além de aumentar o índice de mortalidade dos suínos e a condenação das carcaças ao abate.

A Pleuropneumonia Suína, causada pela bactéria Actinobacillus pleuropneumoniae (APP), por exemplo, acomete suínos de todas as idades, e é considerada como uma das mais importantes patologias na suinocultura por possuir alto índice de morbidade e considerável índice de mortalidade.

“Essa é uma doença respiratória grave caracterizada por broncopneumonia fibrino-hemorrágica e necrosante com exsudação de fibrina na fase aguda e aderências firmes de pleura (pleurite adesiva) com formação de nódulos de pneumonia no parênquima pulmonar adjacente na fase crônica.Em situação de surto epidemiológico nas granjas, estudos indicam que a morbidade pode exceder 50% dos animais, com mortalidade variando entre 1 e 10% dos suínos acometidos. Sua importância em nível mundial deve-se ao alto impacto a nível de campo e de abatedouro, gerando altos custos com tratamentos e profilaxia, além de prejuízos à planta frigorífica”, explica Pedro Filsner, médico-veterinário gerente nacional de serviços veterinários de suínos da Ceva Saúde Animal

Publicidade

A transmissão do patógeno ocorre principalmente por meio de contato direto com exsudatos respiratórios, sendo também possível através de aerossol a curtas distâncias. O APP permanece viável por alguns dias no ambiente se estiver protegido por muco ou outro tipo de material orgânico, sugerindo-se a transmissão através de fômites.

O desenvolvimento da doença clínica depende de vários fatores, desde a virulência do agente, o número de organismos presentes no ambiente e a suscetibilidade imunológica dos animais, incluindo as condições do confinamento.

Suínos de todas as idades são suscetíveis, mas os surtos geralmente se concentram em animais entre 70 a 100 dias de idade. Após essa fase, segue-se a forma crônica da doença afetando principalmente suínos na terminação.

As consequências da pleuropneumonia suína variam de acordo com a virulência da cepa infectante, do ambiente em que os animais se encontram e susceptibilidade imunológica, podendo ser potencializada se a granja apresentar problemas de manejo ou outras infecções concomitantes.

O diagnóstico da doença é laboratorial e anátomo-patológico, realizado a partir do isolamento e identificação da bactéria APP em lesões características, por meio de sorologias ou através de PCR.

Publicidade

No Brasil, as perdas ocasionadas no abatedouro, devido a infecção crônica e/ou subclínica pelo APP, são subdimensionadas em sua prevalência e importância econômica. Normalmente apenas os danos causados pela elevada mortalidade na terminação são considerados. Entretanto, estudos indicam que para cada 1% de pleurite ao abate em um grupo de suínos ocorre uma perda de 70 gramas por animal abatido (redução de ganho de peso + toalete de carcaças). Também é relatado que os dados econômicos são proporcionais à gravidade das lesões. Além disso, um estudo de 2020 realizado por Diaz et al. estimou que, para um lote de 100 suínos com 20% de prevalência de pleurite, o prejuízo total seria de £21, equivalente a cerca de £0,21 por suíno.

A adoção de medidas de controle e profilaxia ambiental, como limpeza e desinfecção adequadas das baias, vazio sanitário, e estratégia de manejo no esquema all in – all out, auxiliam na redução da incidência da doença. Mas, por ser causada por um agente de difícil erradicação dos plantéis, seu controle é complexo. Por isso, a prevenção é a melhor forma de controle da doença e a vacinação desempenha um papel extremamente importante neste quesito.

Estudos de campo realizados pela equipe de Serviços Veterinários da Ceva, evidenciam que granjas vacinadas com Coglapix® apresentam índices significativos na redução de lesões pulmonares associadas à doença e melhoras relevantes nos índices produtivos, principalmente quando associada ao bom manejo sanitário.

Indo além de sua expertise em vacinas, medicamentos e inovação, a Ceva vem aprimorando serviços e ações junto aos produtores em uma abordagem global do sistema de produção, da maternidade à terminação, ajudando cada vez mais a fortalecer a suinocultura nacional. Um exemplo é o Ceva Lung Program (CLP), software gratuito que avalia a saúde pulmonar dos animais abatidos e informa o produtor de maneira precisa sobre os impactos das doenças pulmonares na granja.

A prevenção e o monitoramento destas afecções nas granjas e nos abatedouros auxiliam a cadeia de produção de proteína suína a ter um plantel mais sadio, uma produção mais rentável e uma proteína de maior qualidade ao alcance do consumidor, fomentando o seu crescimento contínuo em produtividade e qualidade.

Publicidade

Sobre Ceva Saúde Animal

A Ceva Saúde Animal (Ceva) é a 5ª empresa global de saúde animal, liderada por veterinários experientes, cuja missão é fornecer soluções de saúde inovadoras para todos os animais e garantir o mais alto nível de cuidado e bem-estar. Nosso portfólio inclui medicina preventiva, como vacinas, produtos farmacêuticos e de bem-estar para animais de produção e de companhia, como também equipamentos e serviços para fornecer a melhor experiência para nossos clientes. Com 7.000 funcionários em 47 países, a Ceva se esforça diariamente para dar vida à sua visão como uma empresa OneHealth: “Juntos, além da saúde animal”.

Faturamento Global de 2023: €1,5 bilhão.

www.ceva.com.br

Referências:

Publicidade

Díaz, J.A. C., Rodrigues da Costa, M., Shalloo, L. et al. A bio-economic simulation study on the association between key performance indicators and pluck lesions in Irish farrow-to-finish pig farms. Porc Health Manag 6, 40 (2020).

TUCKER, A. W.; MCKINLEY, T. J.; JAEGER H. J. Pleurisy in pigs: associated risk factors and impact on health, welfare and performance. Cambridge: Department of Veterinary Medicine/University of Cambridge: Kenilworth: British Pig Executive/AHDB, 2009. 94 p.

Morés, N., Sandi, A. J., Hickmann, J. L. Impacto Econômico das Pleurites/Pericardites em um Abatedouro de Suínos. Comunicado Técnico 545. Versão Eletrônica. Maio, 2017 Concórdia, SC

Sanchez , Eric Brunier , Georges Országh , Miklos Tenk , Benaouda Kadra , Jérôme Thevenon – Clinical field trial of COGLAPIX (App vaccine) in pigs in The Philippines

Miklós Tenk , Bence Gál , Bence Baranyai , Norbert Solymosi , Tamás Szalai , Georges Országh , József Herczeg , Jérôme Thevenon, Vilmos Palya, Stefano Gozio, Roman Krejčí, Eric Brunier and Benaouda Kadra – Assessment of the level of protection conferred by COGLAPIX against a high dose challenge of Actinobacillus pleuropneumoniae by deep analysis of lung score data.

Publicidade

Gisele Assis

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Pecuária

MFG Agropecuária bate recorde e prevê terminar o ano com 350 mil cabeças abatidas

Publicado

em

Reprodução

 

Com seis confinamentos espalhados pelos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e São Paulo, a MFG Agropecuária apresenta recorde de lotação neste primeiro giro de confinamento, que iniciou em maio, junho e segue até o final de julho. Cerca de 95% da capacidade estática – calculada em 140 mil animais – já está ocupada, devendo atingir a totalidade no decorrer dos próximos dias.

O mesmo é esperado para o segundo, em agosto, setembro e outubro, e outro meio giro que ocorrerá em novembro e dezembro. A expectativa é chegar ao final de 2024 com 350 mil cabeças abatidas, em 2,5 giros, o maior volume já registrado pela empresa nos seus 17 anos. Embora o abate de fêmeas continue pressionando as cotações do boi gordo, o mercado está favorável para a atividade de engorda.

“No momento, presenciamos uma boa estabilidade dos custos de produção do boi gordo, principalmente em relação às commodities mais utilizadas na dieta do gado. Há uma boa oferta de algodão e milho no mercado”, avalia Vagner Lopes, gerente de Confinamento e responsável por toda operação da MFG Agropecuária. O preço do grão carro-chefe da nutrição animal, o milho, por exemplo, está em queda há mais de um ano, sendo cotado, em média, a R$ 50,00 a saca.

Publicidade

Segundo o gerente de Confinamento da MFG Agropecuária, o momento é oportuno para iniciar a reposição do rebanho e ainda preparar terreno para a tão aguardada virada do ciclo pecuário. “Para o pecuarista repor bezerros, obviamente, ele terá de aliviar as pastagens enviando a boiada mais pesada para terminação no confinamento”, explica Vagner Lopes.

Aliás, mais do que nunca, esse manejo será necessário para enfrentar a seca, pois, nas principais regiões produtoras do país, ou ela chegou mais cedo ou espera-se que seja mais prolongada. “O segundo semestre também será movimentado para os confinamentos porque o pecuarista passou a apostar mais nesta ferramenta, vendendo seus animais ou sendo parceiro da MFG. Além de usá-la para diminuir a taxa de lotação da pastagem ou fazer a troca de estoque, o produtor pode travar o preço de venda no mercado futuro e, assim, garantir uma margem de lucro satisfatória”, afirma Vagner Lopes.

Premiações de carcaça – Além de contemplar a trava de preço na B3, as parcerias de engorda da MFG Agropecuária dão acesso a um pacote de premiações por qualidade de carne. Seriam elas “Boi Europa”, cronologia de animais até quatro dentes e um prêmio concedido ao engordar os animais nos cochos da empresa, além dos programas específicos do estado do Mato Grosso do Sul (Carne Orgânica do Pantanal e Novilho Precoce MS).

Virada do ciclo pecuário – No primeiro semestre deste ano, o abate de fêmeas continuou pressionando as cotações do boi gordo. De acordo com dados do IBGE, nos três primeiros meses, o aumento foi de 28,2%, em comparação ao mesmo período do ano passado, enquanto os machos apresentaram crescimento de 21,7%, culminando numa média geral de 24,6%. O reflexo disso foi um recuo de 13% na cotação do boi gordo desde janeiro, mas, por outro lado, o preço do bezerro arrefeceu apenas 1,2% no mesmo período.

“Quando o preço do bezerro começa a se firmar um pouco, também se inicia a diminuição da pressão da oferta de fêmeas. Consequentemente, há margem para que o abate de matrizes diminua ao longo do ano e também do primeiro semestre de 2025, gerando um cenário mais firme para o boi gordo”, conclui Hyberville Neto, analista de mercado da HN Agro convidado pela MFG para uma série de eventos pelo Brasil.

Publicidade

Caso o pecuarista queira vender gado ou ser parceiro da MFG Agropecuária, basta entrar em contato pelo WhatsApp do “Alô Pecuarista”: (65) 2193-8765

Adilson – Pec Press®

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Tendência